Construtora diz que reparos foram feitos e laudo entregue; interdição permanece por ‘morosidade’ da Prefeitura

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A Construtora SZN 04, responsável pela Torre B do Condomínio Residencial Villa Piemonte, se manifestou sobre a obra que permanece interditada no Parque Marechal Rondon. De acordo com a empresa o laudo já foi entregue à Prefeitura. “Apesar da obra ter sido concluída há pelo menos 20 dias, a municipalidade queda-se demasiadamente morosa em suas providências administrativas visando o desimpedimento da obra, e apenas por esta razão o status da obra permanece o mesmo”, afirmou a empresa.

Em 31 de janeiro após o surgimento de uma rachadura no prédio residencial, a Defesa Civil interditou a obra e também o imóvel ao lado, que pertence a Igreja Católica de São Cristovão. O assunto inclusive já foi discutido na Câmara de Vereadores, tendo em vista ter causado preocupação sobre a liberação dos imóveis.

De acordo com empresa “desde a constatação da necessidade de reparos em um dos edifícios do empreendimento, a SZN 04 vem trabalhando incansavelmente para solucionar esta questão de forma eficaz, já tendo sido inclusive providenciado o reparo necessário após a realização de laudo técnico assinado por engenheiros capacitados e reestabelecendo a mais plena segurança do empreendimento, cujo qual, diga-se, mesmo antes dos reparos serem efetuados jamais ofereceu risco aos futuros moradores/adquirentes e tampouco transeuntes, haja visto que sua estrutura nunca foi abalada”. Ou seja, segundo a empresa o laudo já teria sido entregue e os reparos realizados.

No último dia 12 de maio o PRIMEIRAFEIRA questionou a Prefeitura sobre a situação do imóvel. A resposta encaminhada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano foi que “conforme informado pelos empreendedores foram feitos projetos e execução de reforço estrutural da fundação com anotação de responsabilidade técnica de uma empresa autônoma, contratada pela construtora. Até o presente momento a ‘Torre B’ do empreendimento se mantém interditada pela Defesa Civil, uma vez que o laudo conclusivo da segurança e garantia do serviço executado de reforço ainda não foi finalizado”. Após o posicionamento da construtora, questionamos novamente a Prefeitura sobre a situação; e também sobre o recebimento do laudo da empresa e quando a obra será liberada. Contudo, até a publicação desta reportagem a Prefeitura de Salto ainda não tinha encaminhado as respostas.

 

Festa de São Cristóvão pode ser cancelada

O impasse sobre as interdições afeta os moradores da região. Ao lado do prédio está a igreja de São Cristóvão, que foi interditada preventivamente na mesma data do prédio – no final de janeiro. Desde então, as celebrações têm ocorrido no salão de festas da comunidade, que funciona ao lado.

O coordenador da Paróquia João Alessandro Correa, informou que a situação tem sido prejudicial para a comunidade, uma vez que o número de fiéis nas celebrações diminuiu e, consequentemente, a arrecadação com o dízimo também, o que dificulta a realização de várias ações. “O salão não tem a mesma estrutura da igreja, que era bem mais aconchegante. Por essa razão, muitas pessoas deixaram de frequentar as celebrações”, explicou.

Segundo o coordenador, a situação pode ser ainda pior para a comunidade, já que a tradicional Festa de São Cristóvão, que ocorre no mês de julho, pode não ser realizada neste ano. “Se não tivermos a igreja liberada a festa não irá ocorrer. Discutimos isso na semana passada com a comunidade e agora estamos aguardando um posicionamento da Prefeitura”, finalizou ele que tem esperança que a situação se resolva o quanto antes.

 

 

Receba as principais notícias de Salto e região toda semana em seu e-mail e WhatsApp de forma GRATUITA com a qualidade e profissionalismo que o PRIMEIRAFEIRA apresenta semanalmente em nossas edições na comodidade de seu lar.

    E-mail:
    Celular: