Salto volta a registrar queda na geração de empregos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Após sete meses seguidos com alta na geração de empregos, a cidade de Salto voltou a apresentar um saldo negativo de vagas criadas no mês de junho. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho.

 

Foram 1.235 admissões no período, mas 1.246 demissões, o que representou um saldo negativo de 11 postos de trabalho. O acumulado do ano, entretanto, segue positivo. De janeiro a junho foram 7.965 vagas criadas e 7.375 desligamentos, o que representa um saldo de 590 vagas criadas nos primeiros seis meses.

 

O último mês que Salto havia registrado um saldo negativo de vagas foi em outubro de 2021, quando, na ocasião, foram fechados 236 postos de trabalho.

 

O setor da Construção foi o responsável pelo saldo negativo de vagas na cidade, já que registrou o fechamento de 64 postos de trabalho. Foram 85 admissões no período e 149 demissões.

 

A Indústria foi o setor que mais criou postos de trabalho em junho, com 20 novas vagas criadas. O Comércio vem em sequência com 18 vagas criadas, o setor de Serviços gerou 13 novos postos e a Agropecuária completa a lista com 2 vagas criadas.

 

 

Região

 

Dentre as cidades da região, Salto foi a única que fechou o mês de junho com saldo negativo de empregos. Indaiatuba foi a cidade com maior saldo de vagas. Foram 3.908 admissões e 3.596 demissões, o que significa 312 novos postos de trabalho. Em sequência, Itu teve um saldo de 252 vagas criadas (2.483 admissões e 2.231 demissões); Cabreúva gerou 84 vagas (653 admissões e 569 demissões); e Porto Feliz, 33 vagas criadas (684 admissões e 651 demissões).

 

Respostas

 

Para o presidente do Sindicato da Construção Civil, Antônio Cordeiro, em relação ao saldo negativo do setor de construção, isso estaria relacionado a ausência de grandes obras públicas. “Não existe mágica, não temos obras em andamento com verbas públicas e a iniciativa privada gera um número menor de vagas”, explica.

 

A Prefeitura de Salto também foi questionada sobre os números do Caged, e respondeu que “é uma grande preocupação a geração de empregos”. Em nota, o executivo ainda citou o Feirão de Emprego realizado no mês de junho. O evento teria apresentado a falta de capacitação no município. “Prova disso é que recentemente uma grande empresa se instalou em Salto e não conseguiu mão de obra local, sendo obrigada a recrutar de cidades vizinhas trabalhadores com especialidades necessárias para suprir os cargos disponíveis.” Ainda segundo a Prefeitura as vagas preenchidas no Feirão serão percebidas nos próximos meses.

Receba as principais notícias de Salto e região toda semana em seu e-mail e WhatsApp de forma GRATUITA com a qualidade e profissionalismo que o PRIMEIRAFEIRA apresenta semanalmente em nossas edições na comodidade de seu lar.

    E-mail:
    Celular: